Eletroquímicos, baby

sexta-feira, 09.03 00h01

[2007]

  • Electrochemicals, baby transita por metáforas desse ambiente, que nos produz e o qual produzimos, por meio de sua plasticidade, desdobramentos e sentido crítico. Burlando clichês para produzir resíduos que nos permitem refletir sobre as condições que nos tornam o que somos. Redesenhando contornos e inventando estruturas provisórias para ser possível reconhecer um “corpo vibrátil” e vulnerável. Um corpo que adota soluções temporárias, preservando a dúvida como exercício crítico, sem estratégias predeterminadas, respondendo à vida com vida.
  • Versão retrabalhada de Show: about what we see (volume 1)
  • De/Com: Cristian Duarte e Thelma Bonavita
  • Letra da faixa eletroquímicos, baby: Thelma Bonavita e Cristian Duarte
  • Edição da trilha: Cristian Duarte
  • Fotografia: Rogério Ortiz e Renato Paschoaleto
  • Produção: DESABA
  • Apoio: Barbosa Caieras, Teatro Coletivo Fábrica, House of Erika Palomino
  • Agradecimento: Dora Leão
  • Agradecimentos sobre o que a gente vê: Ilya Prigogine, David Lynch, Aviões do Forró, Karim Aïnouz, Aernout Mik, Clube Gloria, Funk Proibido, José Padilha, Richard Dawkins, Emily Dickinson, Nina Simone, Suely Rolnik, Barbosa, Martin Arnold, M.I.A e Alva Noë.
  • Trilha eletroquímicos, baby
    you see
    you touch
    you touch
    you deform
    you reform
    you transform
    you fuck it
    you fuck it … “

 

 

 

 

 

best essays service